quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Ligado no 220w? Vive no mundo da lua? Pode ser TDAH - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

LIGADO NO 220w?  VIVE NO MUNDO DA LUA?
Precisamos falar sobre o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade


-Bom Dia, qual o motivo da procura por atendimento?
- Meu filho não para quieto, não presta atenção no que eu mando e só bagunça na escola. Acho que ele tem TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH).
- Quando foi feito o diagnóstico? Por qual profissional?
- Não, não. A professora disse que ele deve ter, eu até conferi no google e a tia dele já até disse que é com Ritalina que resolve né?

E lá vamos nós mais uma vez conversar sobre o que é o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, ou como ficou famoso: “TDAH”. 

Diálogos como este permeiam não só nossos consultórios, mas também as escolas e acreditem: até as creches hoje em dia!

Com a ampla divulgação do transtorno, estamos vivendo o BUUUM do diagnóstico, muitas vezes feitos por profissionais não habilitados ou ainda pela amiga, tio, vizinho e por ai vai...

Nosso post de hoje vem então com o intuito de auxilia-los a conhecer um pouquinho mais sobre o transtorno, assim como seu tratamento e como os pais podem auxiliar os pequenos a “conviver” com o TDAH.

O primeiro ponto que gostaríamos de desconstruir é que o TDAH  não é resultado de falta de disciplina ou de pulso firme dos pais, assim como não é  má vontade ou birra da criança/adolescente, como ERRONEAMENTE muitas vezes pais e crianças são rotulados. O TDAH se trata de um distúrbio neurobiológico, sendo a maioria das vezes diagnosticado quando a criança ingressa na escola e apresenta dificuldade de aprendizagem e/ou comportamento e relacionamento com colegas e professores. Os três principais sintomas apresentados pelas crianças são a impulsividade, agitação motora e a distração. As crianças predominantemente hiperativas, são mais facilmente diagnosticadas uma vez que acabam chamando mais atenção dos professores quando comparados àqueles que apresentam um quadro predominantemente desatento, que algumas vezes por serem mais quietinhos, tranquilos e comportados acabam “passando batido” em meio a turma.

Se por um lado  as crianças com TDAH apresentam maior dificuldade de concentração e de sustentar atenção por grandes períodos de tempo em uma mesma tarefa sem interrompe-las diversas vezes, por outro lado quando desafiadas e motivadas por situações inovadoras tem capacidade de hiperconcetração, permanecendo engajada por longos períodos sem notar o passar das horas.

São alunos em sua maioria desorganizados, com dificuldade de completar tarefas (empurrando para última hora), esquecem datas de provas, tarefas e estão sempre correndo contra o relógio. O lema de “fazer tudo da sua maneira e no seu tempo” acaba sendo o terror de pais e professores que acabam tendo dificuldade em estabelecer regras e limites.

Mas calma, com o diagnóstico correto que perpassa por uma profunda avaliação clínica, no qual se analisa o histórico da criança, quantidade e intensidade dos sintomas, fatores genéticos, etc. Este diagnóstico, na maioria das vezes, é realizado por psicólogos, neuro pediatras ou psiquiatras, e com o tratamento adequado, com psicoterapia e a maioria das vezes com o uso de medicação (normalmente indicada para crianças acima de 8 anos), as crianças/adolescentes conseguem se desenvolver normalmente. 

Os pais são parte fundamental durante o tratamento dos filhos, sendo convidados a se aprofundar sobre o transtorno e a também como manejar nas situações do dia a dia. Além dos pais, o apoio pedagógico individualizado pode ser necessário.

Falando em tratamento, gostaríamos de relembrar que o TDAH não possui cura, e sim controle, com o tratamento adequado os sintomas tendem a diminuir de intensidade com o passar dos anos, o que não significa que eles desapareceram ok? E sim, receber adultos com TDAH não diagnosticado é bastante comum nos consultórios.

Hoje é dia, contamos com diversos livros, vídeos, e inclusive cursos para pais sobre o transtorno! Reunimos algumas estratégias que podem auxiliar aos pais de crianças/adolescentes com TDAH:

- A criança não é o problema! Muito cuidado com afirmações que podem acompanhar a criança por todo seu desenvolvimento, que tal dar maior ênfase para suas qualidades? ELOGIE!

- A perfeição não existe! É natural que as crianças sejam diferentes, NÃO COMPARE seus filhos entre eles, ou com colegas, vizinhos e etc.

-Relembre! Sim, falar uma vez não será suficiente, defina regras e limites para casa e relembre a criança quando necessário. Um mural com regras, avisos, datas importantes, recados, etc costuma facilitar (e muito!)  para toda a família, falando nisso as regras valem para todos da família ok?

- Apesar de muito agitados, CUIDADO para não sobrecarregar a agenda dos pequenos! Brincar é tão importante quanto as demais aulas extracurriculares.

- A conexão escola-família é essencial, acompanhar o desenvolvimento da criança, expondo seu diagnóstico para que as estratégias pedagógicas possam ser adaptadas para melhor contemplar a criança é muito importante. Lembre-se: você só poderá cobrar resultados se ofereceu o suporte necessário para que ele seja alcançado.

-ROTINA! Mais uma vez a nossa queridinha aparecendo por aqui, se a rotina já é algo muito importante para todas as crianças, para aquelas que possuem TDAH se torna indispensável. Horários determinados ajudam a criança a se organizar em suas atividades do cotidiano, auxiliando a reduzir a agitação por não saber o que está por vir. Também é importante prepara-la para mudanças na rotina (festas, passeios, mudança de escola, etc).

-Na hora dos estudos menos é mais, procure reservar uma mesa sem muitos estímulos ao redor, determinar tempo para que as tarefas sejam concluídas e estar presente para orientar as dificuldades que possam surgir.

-Ninguém nasce sabendo! Chame atenção para os comportamentos inadequados e em seguida diga de que outra maneira a criança poderia agir para ser mais assertiva ou adequada.

- Dê aquilo de mais precioso que você pode dar ao seu filho: seu tempo! Seja para perguntar-lhe como foi seu dia ou para brincar, procure incentivar aos jogos com regras, pois além de desenvolver atenção dos pequenos introduz as noções de regras, limites e consequências (ganhar e também perder!).

-Confie nos profissionais que estão acompanhando seu filho, tire suas dúvidas, informe-se, o site da Associação Brasileira de Déficit de Atenção tem material super completo e de fácil leitura.


Esperamos que o post de hoje tenha ajudado a entender um pouquinho melhor sobre o TDAH e a tirar as dúvidas de vocês!


Ficou com alguma dúvida? Tem mais alguma curiosidade? Escreve pra gente! Adoramos acompanhar os comentários de vocês!




Paola Ritcher, Psicóloga e Psicoterapeua de crianças e adolescentes; e Natana Consoli, Psicóloga e Psicoterapeuta de adultos, casais e famílias.
Facebook: E aí Psi?


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Cabeça feita para o carnaval: inspirações de penteados para as crianças


Em fevereiro, tem carnaval, tem carnaval...

Oi, gente!


Fevereiro, geralmente tem muitos bailinhos de carnaval para a criançada. Seja na escola, no clube ou na rua, o importante é se divertir!

Muita alegria, música, brincadeiras, confetes e serpentinas pedem uma produção caprichada e confortável. 

Para quem não deseja investir muito numa fantasia, uma boa opção é fazer um penteado bonito e colorido! Com uma roupa descolada e fresquinha e cabelos prontos, as crianças estarão preparadíssimas para brincar no carnaval!

Vejam algumas ideias que separei para vocês se inspirarem!

Flores no cabelo:

Uma trança presa com flores fica lindo e delicado! E as meninas adoram! Essa fiz para completar a fantasia da Manu (aiii minha dançarina aqui tinha 4 aninhos!)

Foto: Arquivo Pessoal


Tranças com fitas: 

Fitas coloridas fazem a diferença na cabeça das meninas. Largas ou mais fininhas, de cetim ou até serpentinas presas no cabelo, deixam o look com a cara do carnaval.




Coques:

Penteado perfeito para as gurias não passarem calor, os cabelos presos num coque ficam uma graça com glitter ou descontraídos como esse cupcake. Outra opção é encher os coques com pequenas miçangas ou aquelas presilhas bem pequeninhas para dar um colorido no visual.




Spray colorido:

Aqui está uma solução simples e super divertida para a criançada pular no carnaval. Tinta spray colorida faz a cabeça dos pequenos e grandinhos. Encontrei esse penteado e achei bem diferente! Vários rabinhos de cavalo, ops de pônei hehe, para o lado e pintados com spray colorido e temos uma linda little poney.


Acessórios:

Para um penteado mais elaborado vale colocar alguns acessórios como frutas, plumas, paetês e outros apliques. Fica lindo!


Meninos:

Os guris também gostam de se fantasiar e arrumar os cabelos de forma diferente. Para eles uma boa opção é investir em cores, perucas e muita escultura com gel fixador. 


Todas as imagens foram retiradas na internet (fonte: Google Imagens).





sábado, 28 de janeiro de 2017

Cuidados com as crianças na praia e com a exposição solar

Oi gente!


Verão é bom para estar na praia, não é mesmo?

Época que as crianças brincam, e rolam (!) na areia e se jogam (literalmente) no mar... 

Calor, sol, mar uma combinação perfeita!

Foto: Arquivo pessoal
 E para continuar sendo assim, precisamos ter alguns cuidados para que as tão esperadas férias na praia não se tornem momentos desagradáveis.

Uma dúvida muito comum entre as mães é quanto ao uso de protetor solar nos bebês e como deve ser a exposição dos pequeninos ao sol. 

O gestor do Serviço de Pediatria do Sistema de Saúde Mãe de Deus e também chefe da UTI Neonatal, Dr. Ercio Amaro de Oliveira Filho, orienta que nos primeiros seis meses de vida, quando não é recomendado o uso de protetor solar, deve se evitar a exposição direta ao sol dos bebês. Após essa idade, os mais pequenos já podem usar o protetor apropriado.


Alguns cuidados importantes e que devem ser adotados:


  • Evitar exposição nos horários de pico solar, entre as 10 e 16 horas, no horário de verão entre as 11 e as 17 horas;
  • Proteger as crianças com roupas leves de algodão e bonés ou chapéus;
    Foto: Arquivo Pessoal
  • Usar protetor solar infantil em todas as partes do corpo (inclusive nas orelhas), lembrando que o produto só pode ser usado após os seis meses de idade devido a alta sensibilidade da pele;
  • Brincar mais próximo da parte úmida da areia e embaixo do guarda-sol;
  • Retirar o excesso de areia após as brincadeiras para evitar problemas na pele. O ideal é carregar junto uma garrafinha com água doce para limpar as crianças ou talco que também serve para fazer essa limpeza (dica de mãe);
  • Fazer lanches leves e saudáveis como sucos naturais, água de coco e frutas;
  • Trocar a roupa molhada por uma sequinha, caso a criança não vá mais tomar banho de mar;
  • Retirar a fralda do bebê se ele for brincar no mar ou use uma apropriada para banho;
  • Manter a criança hidratada;
  • Observar sempre as crianças. Se elas apresentarem algum desconforto, melhor parar o passeio e evitar a exposição ao sol;
  • Em caso de queimadura de águas-vivas é recomendado usar vinagre para aliviar os sintomas e neutralizar o veneno.

Foto: Google/Imagens



Agora é só aproveitar os momentos felizes e brincar muito com as crianças na praia!


Beijos,


Tati










quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Brincadeiras com água para se refrescar!

Com esse calor todo que anda fazendo por aí, nada melhor que brincadeiras refrescantes para fazer com as crianças e deixar elas livres para se divertir.

Selecionei 8 ideias de brincadeiras com água que vão fazer a alegria da gurizada!

Mas calma, sem desperdício, porque a gente também não quer isso. Brincar com água fica melhor se estivermos conscientes da sua importância e cuidarmos do nosso meio ambiente.

Depois é só separar os materiais necessários e chamar as cria para a rua!

Uma ótima e geladinha diversão! <3


1) Pequenos Exploradores

Que tal colocar pequenos brinquedinhos como miniaturas de animais marítimos e dinossauros em potes grandes ou balões cheios de água? As crianças vão adorar explorar e "martelar" até encontrarem todos os tesouros escondidos.

Fonte: Pinterest

2) Vôlei com esponja

Simples e divertido, esse jogo vai respingar muita água para todo lado.

Fonte: Pinterest

3) Cubos de gelo coloridos

Para fazer essa brincadeira sensorial, coloque água com corante alimentício de várias cores nas forminhas de gelo, desenforme e deixe os pequenos explorarem a vontade. O legal é colocar sobre uma cartolina para que as crianças possam ir pintando o papel a medida que o gelo for derretendo. Uma ideia pra lá de refrescante e estimulante!

Fonte: Tempo Junto

4) Bexigas penduradas (pinata).

Basta encher bexigas com água para as crianças acertarem com um cabo de vassoura ou outro objeto. Para ficar mais emocionante elas podem ficar vendadas. Diversão molhada na certa!
Fonte: Pinterest

 5) Bolhas de sabão 

Elas não podem faltar quando se pensa em brincadeiras com água. Toda criança adora! 

Já imaginou ficar dentro de uma bolha gigante?
Uma variação que encontrei na internet (e adorei) é fazer bolhas usando o bambolê. Para isso, coloque o líquido para bolhas dentro de uma piscina pequena, dessas de bebê, onde o filhote deve entrar (os pais também podem, viu?!) e subir o bambolê em volta do corpo. 


Fonte: Pinterest

6) Escorrega com água e sabão.

Uma lona, água e sabão são ingredientes certos para uma brincadeira divertida e muito refrescante! Se joga!

Fonte: Catraca Livre

7) Guerra de bexiguinhas

Toda infância tem que ter essa guerrinha gostosa de água. É uma delícia, muito fácil de fazer e diversão garantida.
Fonte: Pinterest

8) Barquinhos de esponja

Para preparar a brincadeira, faça os barquinhos com esponjas e canudinhos com uma bandeirinha, coloque dentro de potes de plástico cheios de água e umas gotinhas de corante e leve ao freezer. Assim que estiverem congelados coloque dentro de uma bacia grande para os pequenos brincarem a vontade! O legal é que ao derreter o gelo, a água vai ficando colorida e formando um "mar" de arco-iris. Lindo, estimulante e divertido!

Fonte: Pinterest

Dicas:

Faça as brincadeiras com gelo em dias muito quentes, porque assim derretem mais rápido.

Para ajudar a desenformar o bloco de gelo, deixe o pote um minutinho na água morna.

Para fazer o bloco de gelo com as miniaturas, congele em etapas para que os bichinhos não subam para a superfície.

Brincadeiras com água geram bastante bagunça, então esteja preparada para isso.

Os espirros de água e as risadas são proporcionais ao tamanho do material usado nas brincadeiras, capriche!

Se fizer alguma brincadeira dentro de casa forre o chão com um tapete grande para não ficar escorregadio.

Brincadeiras com água necessitam da supervisão de um adulto! Esteja sempre por perto!








quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Os dentinhos do bebê ainda não nasceram?

É muito importante os pais estarem informados sobre o que esperar e quando esperar o nascimento dos dentes. Mas é ainda mais importante sabermos que podem haver variações de até 1 ano de diferença, e mesmo assim estar dentro da normalidade e individualidade da criança.

Imagem Google

O crescimento e desenvolvimento variam para cada criança, dependendo de sua genética e fatores ambientais.

As meninas geralmente têm maturação mais cedo que os meninos, por isso, podemos esperar que elas estejam abaixo ou próximo a idade media padrão.

Mais importante que a idade em que provavelmente nascerão os dentinhos, é a sequencia do nascimento dos dentes, e mais ainda que eles erupcionem de forma pareada (dentes homólogos devem erupcionar concomitantemente).
Exemplo: o primeiro molar superior direito deve nascer em tempo semelhante do primeiro molar superior esquerdo.

Lembrando que a primeira consulta do bebe no Odontopediatra deve ser ainda na barriga da mamãe. Nesse momento a mãe já recebe muitas informações e orientações importantes para o correto crescimento e desenvolvimento da arcada dentaria e ossatura da face. E a segunda consulta deve ocorrer quando nasce o primeiro dentinho do bebe.

A dentadura decídua (de leite) inicia sua erupção por volta dos 6 meses e se completa entre os 24 e os 30 meses. Podem haver grandes variações para cada criança, por isso é importante o acompanhamento com um Odontopediatra. A dentadura de leite é composta por 20 dentinhos, 10 superiores e 10 inferiores.

Chegando aos 5 / 7 anos, se iniciam as trocas dentárias, com o nascimento dos dentes permanentes que serão no total de 32 dentes.
Após a completa formação dos dentes decíduos, se inicia a reabsorção das suas raízes. Dessa maneira ocorre o processo de esfoliação, em que os dentes decíduos são gradativamente eliminados para cederem lugar à dentição permanente. Esse processo de esfoliação e erupção podem ser afetados por diversos fatores, como: más formações em geral, ausência de dentes, dentes supranuméricos, traumas, cáries e o estado nutricional da criança, etnia, gênero, genética e doenças sistêmicas.

Muito importante observar que os molares permanentes (dentes mais posteriores) irão erupcionar sem que tenha ocorrido perda de algum dente decíduo. E que os dentes permanentes só erupcionam quando as raízes dos decíduos forem reabsorvidas corretamente, guiando a erupção do sucessor. Caso a reabsorção radicular dos molares decíduos não aconteça de maneira uniforme e adequada, poderá ocorrer a retenção prolongada destes elementos, com consequente atraso na erupção.

O processo se inicia com a troca dos incisivos (4 dentinhos anteriores, os superiores e inferiores). Os incisivos centrais inferiores, primeiramente, seguidos pelos incisivos laterais inferiores. Logo após vêm os incisivos centrais superiores e cerca de um ano depois surgem os laterais superiores. É nessa fase que temos os famosos “banguelhinhas”. Terminada essa fase, a criança passa por um período sem que nenhuma troca ocorra, normalmente por volta dos 7/ 9 anos de idade.
Entre 9 / 12 anos, se inicia a segunda fase de trocas dentárias, em que os caninos e molares decíduos irão ser trocados pelos caninos e pré-molares permanentes. Normalmente os caninos inferiores trocam primeiro, seguidos pelos primeiros pré-molares, segundos pré-molares e por fim os caninos superiores.




Como toda mamãe já sabe, são varias as fases que nossos bebes e crianças passam durante os primeiros anos de vida. E essa dos dentinhos é uma delas, temos que estar informados, ter paciência e dar carinho para auxilia-los.




Sarah Zimmermann Selaimen 
Especialista em ortodontia e ortopedia facial 

Atendimento:
Clinica Odontológica Selaimen
Alameda Sebastião de Brito, 12 Bairro Boa Vista (Praça Japão)
Porto Alegre/ RS  (51) 3328.4699

Saiba mais:
Facebook: Dra. Sarah C. S. Zimmermann Selaimen - Ortodontia