quarta-feira, 8 de abril de 2015

Vamos salvar as vaquinhas

   
            Mãe sempre está preocupada com a alimentação dos filhos sejam eles ainda pequenos ou já crescidos. E mãe sempre busca informações do que é saudável. E aí,  volta e meia a mídia traz a discussão quanto ao consumo de leite .

            Afinal leite é bom? É vital? Precisamos? E a intolerância? E os veganos? Mãe, nutricionista e química, sou é defensora de alimentos de boa qualidade e procedência; e o leite está incluído nesta lista.

            O melhor leite é o da própria espécie e por isso o aleitamento materno exclusivo é tão importante. Isso porque o aparato digestório dos pequeninhos vai se tornando plenamente funcional até os 6 meses; portanto o aleitamento materno exclusivo até esta idade é a melhor opção. Não sendo possível,  há recurso de usar fórmulas prontas mas essa já é outra discussão.
           
            Voltando ao leite, depois do leite materno, por que tomar?
            Para “crescer fortes e saudáveis”,  gurizinhos e guriazinhas precisam de uma alimentação que forneça os nutrientes necessários. O leite é apenas uma opção! Mas se for a escolhida, que seja de boa qualidade.

            O leite traz proteínas para o crescimento,  gorduras que tem até efeito cardioprotetor pois, acreditem, ele também tem  ômega 3 e a lactose que confere sabor agradável e favorece a absorção intestinal de outros nutrientes. Ah, o leite tem ainda outros nutrientes: minerais como potássio para o bom movimento dos músculos, fósforo para formação de ossos, zinco para o sistema imune e muitas vitaminas. Vitamina A, B1, B2, B12, B6, E, K, D e biotina que contribuem para imunidade, funcionamento cerebral e cardíaco.  E o cálcio? Sim, fornece cálcio. Mas  o cálcio também pode ser encontrado na aveia, brócolis e mamão.
           
            A maior vantagem do leite, indicam estudos científicos, é o conjunto nutricional, ou seja, esses nutrientes juntos atuam melhor do que as propriedades de cada nutriente isoladamente.

            Mas isso tudo depende da procedência. Não sendo materno, de onde virá o leite? Que não seja de caixinha pois é completamente estéril, que não seja com frescura tipo desnatado. Que seja integral e pasteurizado. Para nós brasileiros, nos resta salvar as vaquinhas e protegê-las do excesso de antibióticos e manejo intensivo.

            E quem não pode consumir? OK, sem problemas, pois podemos buscar esses nutrientes em outras fontes e a alimentação dos nossos filhos continuará sendo saudável. A  alergia acontece em relação as proteínas do leite e a intolerância é em relação à lactose.

Fica para uma próxima a discussão dos “leites vegetais”  e as opções para alérgicos, intolerantes ou veganos ou só simpatizantes de novas formas de  alimentação.


Maria Cristina Gallas Flach

Mãe do Pedro que, há 22 anos,  tem participado dos meus experimentos alimentares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Compartilhe, comente!