quarta-feira, 15 de julho de 2015

Mãe zumbi em...cadê meu filho?

Para chegar na parte da história do sumiço do guri, deixa eu explicar algumas coisinhas antes. Vamos lá!


Sempre foi um pouco complicado colocar o Davi para dormir, desde bebê. Nas suas primeiras semanas ele dormia horas seguidas sem mamar, e eu até ficava preocupada com isso. Mas após o primeiro mês, talvez por conseguir sugar melhor, ou por querer ficar mais tempo no aconchego do meu colo, ele passou a realizar mamadas a cada duas horas, dia e noite. E quando não estava mamando, queria ficar no colo!
O berço do Davi ficava no meu quarto e eu sempre o colocava para dormir lá, mas teve uma fase (bem longa) que ele ficava no máximo 30 minutos dormindo sozinho e acordava chorando muito, gritando mesmo e eu passei a colocá-lo para dormir comigo. Não vou negar que é uma delícia dormir com o filhote do lado, ficar admirando e sentir seu cheirinho...mas além disso, era uma solução para tanto choro. E como eu estava muito cansada, desse modo ficava mais fácil de amamentar durante à noite, principalmente nas noites frias do inverno gaúcho.
Bom, só que eu não queria que ele acostumasse com essa situação, preferia que ele dormisse na caminha dele e conforme o frio ia passando eu comecei aquela função toda de berço, cama compartilhada, berço, cama compartilhada, berço...ufa! Sim, isso durante a noite toda, entre as suas constantes mamadas, porque tinha dias e noites que ele acordava a cada hora para mamar. O cansaço realmente tomava conta de mim, mas não só o cansaço físico, o psicológico mesmo. Dia e noite do mesmo jeito. Eu não dormia bem, não conseguia descansar. Colocava ele no berço com a sensação de que ele já ia acordar (o que acaba acontecendo mesmo). E ainda teve a fase que ele chorava bastante e não se acalmava com mais ninguém, só comigo. Era como se fossemos só eu e ele. Nessa época o marido estava viajando. Foi difícil, estressante, punk. Eu não conseguia dormir mais de uma hora seguida, porque depois de mamar ainda tinha que fazê-lo dormir no colo. E como disse antes, ele demorava a pegar no sono, tanto que quando finalmente dormia, já quase estava na hora da próxima mamada. Já estava sem estoque de canção de ninar! 

Numas dessas noites de tira do berço, coloca na minha cama, volta pro berço, faz dormir, mamada, faz dormir, acorda de novo, mamada, faz dormir, coloca no...opa? onde mesmo? Acordei jurando que o guri estava do meu lado e... nada! Meu Deus! Pânico total! Imagina olhar para o lado, onde você jurava ter colocado o baby e não ver ele? Olhar rapidamente pro berço e também não enxergar? Até no chão procurei...e... nada! Foram segundos, apenas poucos segundos de pânico na madrugada até eu me dar conta de que ele estava lá, dormindo no seu berço...tranquilo. O que o cansaço e o sono não faz com uma mãe? Acho que é daí que vem a expressão mãe zumbi. Parecia que eu não estava consciente, quando penso no assunto chego a palpitar que deveria ter amamentado dormindo, pois nessa noite foram inúmeras vezes que levantei para atendê-lo. Eu, no primeiro momento, não tinha visto ele ali porque tinha certeza que havia colocado comigo. E sinceramente, até hoje não sei como aconteceu de ele ir parar no berço. Sozinho que não foi!


Abraço da mãe zumbi,

Tatiane Gallas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Compartilhe, comente!