quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

O que é ser mãe e quando nasce uma?

A maternidade sempre gera muito polêmica, principalmente nas redes sociais. Muitas mães não se entendem e acabam reclamando, boicotando, palpitando na vida da outra de forma agressiva até, como se cada uma estivesse numa competição interminável. Ser mãe não é uma tarefa fácil e pode ser muito complicada aos olhos de alguns. Já li diversos manifestamentos na internet, aplaudindo ou crucificando a vida materna. Já li desabafos de mãe sobre seu cansaço, sua vida medíocre(!), e até seu desgosto em relação a maternidade. Já li depoimentos lindos de satisfação total, de prazer e de  plena felicidade em ser mãe!
Mas o último que li que me fez pensar muito. Uma mãe dizia que não via nada de lindo em ser mãe, pelo contrário que detestava ser! Mas que isso não tirava o amor que sentia pelo filho. Sinceramente, não consigo separar o "detesto ser mãe", do "mas amo meu filho". A maternidade não é feita só de momentos bons, junto com ela vem muita preocupação, muitas noites mal dormidas, dores no corpo, rachaduras no seio, bebês frágeis chorando, febre inesperada, cicatrizes no corpo, angústias e muito medo! Mas junto ela traz um amor incondicional, uma força que a gente nem sabe que tem, uma admiração sem igual, e sobretudo, a capacidade de doação.
Há muita discussão sobre "como é ser mãe". Mães que se cobram demais, mães perdidas, mães leoas, mães dedicadas, mães felizes e mães frustradas. Mãe é um poço de sentimentos misturados. E em cada mãe existe também uma mulher, ou várias delas. Somos mães, mulheres, esposas, profissionais, filhas, amigas... às vezes fica mesmo difícil encontrar todas harmoniosamente dentro de nós. Depois de ser mãe, nossa vida muda. Nossa prioridade muda de foco, isso é fato! A maternidade é sem dúvida um grande aprendizado, a gente erra e acerta, às vezes anda em círculos, ela é intensa!
Pensando em todas essas questões, no que somos e o que enfrentamos quando nos tornamos mães, trouxe esse texto lindo da Cris Guerra, publicado na Veja. Tenho certeza que você vai se identificar, boa leitura!
"Dizem: quando nasce um bebê, nasce uma mãe também. E um polvo. Um restaurante delivery. Uma máquina de chocolate prontinho. Uma mecânica de carrinhos de controle remoto. Uma médica de bonecas. Uma professora-terapeuta-cozinheira de carreira medíocre. Nasce uma fábrica de cafuné, um chafariz de soro fisiológico, um robô que desperta ao som de choro. E principalmente: nasce a fada do beijo.
Quando nasce um bebê, nasce também o medo da morte - mães não se conformam em deixar o mundo sem encaminhar devidamente um filho.
Não pense você que ao se tornar mãe uma mulher abandona todas as mulheres que já foi um dia. Bobagem. Ganha mais mulheres em si mesma. Com seus desejos aumentam sua audácia, sua garra, seus poderes. Se já era impossível, cuidado: ela vira muitas. Também não me venha imaginar mães como seres delicados e frágeis. Mães são fogo, ninguém segura. Se antes eram incapazes de matar um mosquito, adquirem uma fúria inédita. Montam guarda ao lado de suas crias, capazes de matar tudo o que zumbir perto delas: pernilongos, lagartas, leões, gente.
Mães não têm tempo para o ensaio: estreiam a peça no susto. Aprendem a pilotar o avião em pleno voo. E dão o exemplo, mesmo que nunca tenham sido exemplo. Cobrem seus filhos com o cobertor que lhes falta. E, não raro, depois de fazerem o impossível, acreditam que poderiam ter feito melhor. Nunca estarão prontas para a tarefa gigantesca que é criar um filho - alguém está?
Mente quem diz que mãe sente menos dor - pelo contrário! Ela apenas aprende a deixar sua dor para outra hora. Atira o seu choro no chão para ir acalentar o do filho. Nas horas vagas, dorme. Abastece a casa. Trabalha. Encontra os amigos. Lê - ou adormece com um livro no rosto. E, quando tem tempo pra chorar - cadê? -, passou. A mãe então aproveita que a casa está calma e vai recolher os brinquedos da sala. "Como esse menino cresceu", ela pensa, a caminho do quarto do filho. Termina o dia exausta, sentada no chão da sala, acompanhada de um sorriso besta.
Já os filhos, ah… Filhos fazem a mãe voltar os olhos para coisas que não importavam antes. O índice de umidade do ar. Os ingredientes do suco de caixinha. O nível de sódio do macarrão sem glúten. Onde fica a Guiné-Bissau. Os rumos da agricultura orgânica. As alternativas contra o aquecimento global. Política. E até sua própria saúde. Mães são mulheres ressuscitadas. Filhos as rejuvenescem, tornando a vida delas mais perigosa - e mais urgente.
Quando nasce um bebê, nasce uma empreiteira. Capaz de cavar a estrada quando não há caminho, só para poder indicar: "É por ali, filho, naquela direção"
Beijo,
Tatiane Gallas 

18 comentários:

  1. Muito difícil mesmo essa tarefa do ser mãe! Esse texto é fantástico! Mas, com certeza, é a melhor experiência que passamos em vida!

    ResponderExcluir
  2. Faz todo sentindo, como se pode dizer na mesma frase "odeio e amo" como se fossem coisas separadas?!
    Ser mãe com certeza é algo maravilhoso, e único! Sim ,tem seus momentos duros, mas quem disse que ao ter filhos ia só teria coisas boas?

    ResponderExcluir
  3. Creio que essa mãe estava pedindo socorro. Naquele momento de cansaço extremo. Sim, ela deve amar o filho. Porém, a nova vida não é como ela sonhava. Creio que grande parte disso é decorrente da mídia que sempre mostrou a maternidade como algo lindo. Claro que é muito lindo, mas desgastante, frustrante e por vezes carregada de culpa!
    Eu amo ser mãe. Porém, no puerpério, fiquei super confusa. Acredito que isso está acontecendo com ela!

    ResponderExcluir
  4. Texto muito verdadeiro! E amei a ultima frase: Quando nasce um bebê, nasce uma empreiteira. Capaz de cavar a estrada quando não há caminho, só para poder indicar: "É por ali, filho, naquela direção".

    ResponderExcluir
  5. O texto dessa mãe gerou mta polêmica! Eu não li na íntegra... Talvez ela não tenha conseguido se expressar da melhor forma, pq ser mãe cansa mas é a melhor coisa da vida!

    ResponderExcluir
  6. Realmente, as pessoas tem se tornada grandes juízes em redes sociais, ainda mais quando o assunto é maternidade.
    Lindo texto, e uma grande realidade!
    bj,
    Alê

    ResponderExcluir
  7. Ser mãe não é fácil mesmo, temos nossos momentos difíceis, mas acredito que o texto polêmico tem a ver com a idade da menina pelo que vi era mega nova! Ser mãe precisa sim de suporte, ajude, companheirismo e muitas meninas se vêem nessa situação mãe em uma fase que só queriam curtir, ótima matéria bj

    ResponderExcluir
  8. Tati!!! Que texto lindo!!!
    Eu não entendo Tb como alguém ama o filho e detesta ser mãe. Eu amo cuidar do meu filho. Cada descoberta dele eu estou junto. Cada palavra nova, cada minutinho da vida dele fiz parte de tudo. Amo e cada vez aumenta mais meu amor por ele e pela vida de mãe. Não Eh fácil. Mas quem disse que seria não Eh??? Bjo

    ResponderExcluir
  9. Acho que quando nasce um filho, o instito materno aflora assim como os medos.
    Não é à toa que somos chamadas de mãe leoa!
    Blogmaternidadesemfrescura

    ResponderExcluir
  10. Eu relutei muito pra ser mãe, achava que não era "pra mim", mas hoje vejo que é a melhor (e mais cansativa) tarefa que já executei na vida. Confesso que sou meio neurótica, quero ser perfeita pra eles, se é que isso seria possível, às vezes me cobro muito. É hoje digo com toda certeza do mundo: eu nasci pra ser mãe!

    ResponderExcluir
  11. Também não consigo separar o "não gosto de ser mãe mas amo meu filho, realmente quando nos tornamos mais muita coisa vem junto, muitas outras responsabilidades, novidades, dificuldades, não é fácil, é cansativo, estressante, mais junto também em tanta coisa boa, tantos momentos simples que são especiais, que para mim todo esse lado ruim acaba ficando menor

    Bjs Mi Gobbato - Espaço das Mamães

    ResponderExcluir
  12. Eu li o depoimento dessa mãe e o que consegui perceber é que ela ainda está no puerpério, aliado à pouca idade e ainda não conseguiu digerir toda a mudança na sua vida. Alias, não a julgarei!!! Não a conheço... e nem sei de seus problemas.. Mas o que mais me chamou a atenção é que ela tem amor de mãe, só não sabe que ainda o tem!! Nem a pessoa que nasceu junto com seu filho!!! A internet virou um meio muito bom para falarmos o que queremos sem nos expor!!! Se eu pudesse estar frente à frente com essa mãe, daria meu apoio e toda atenção, que é o que ela precisa (afinal, todas nos precisamos disso quando "nascemos" mães). Daqui a algum tempo ela vai ver que foi infeliz em falar isso publicamente. Mas dai, já é outra história. Lindo texto da Cris Guerra... Um bjo

    ResponderExcluir
  13. Lindo texto, ser mae dá trabalho e cansartivo, mais sem duvida é a melhor dádica que Deus poderia dar a nós mulheres !!!

    ResponderExcluir
  14. Bom dia Tati

    Adorei o texto ser mae é muito difícil, mas é a melhor experiencia que poderíamos ter.

    Bjs

    Mari


    vamosmamaes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Que texto lindo!! Tenho certeza que você é uma ótima mãe e mesmo com todas as dificuldades

    Bjs,
    Dri

    ResponderExcluir

Gostou? Compartilhe, comente!