segunda-feira, 7 de março de 2016

Um desabafo sobre viajar de avião com crianças: mais amor, por favor!

Viajar sozinha com as crianças não é uma tarefa fácil. Seja ela de avião, carro ou ônibus. Nunca é fácil! Acreditem!

Viajo sozinha de avião com com meus filhos, desde que o Davi tinha apenas dois meses. E já passei por muitas situações. Imaginem uma mãe, um bebê, uma bolsa, a bolsa do bebê, uma criança de 7 anos, a mochila dessa criança, a mãe segurando o bebê de olho para a maiorzinha...
Poderia até fazer um post sobre dicas e preparativos para viajar com as crianças, mas não! Hoje vou fazer um desabafo mesmo sobre nossa última viagem.


São muitas idas e vindas entre Porto Alegre e Goiânia e Brasilia. Já pegamos vôos diretos e com conexão. Já chegamos no horário e tivemos atrasos. Já tivemos viagens tranquilas e outras nem tanto. 
Bom, a Manu está super acostumada e como é maior segue a viagem toda tranquila. Já com o Davi é bem diferente. Ele é agitado, curioso e não aguenta ficar muito tempo parado. Desde que começamos a viajar, com ele tudo pode acontecer, ou quase tudo, pelo menos enjôo ele nunca teve, ou melhor, nunca havia tido. Com crianças, tudo fica imprevisível, difícil ter certeza de como será toda a etapa de viagem. 

A última viagem que fizemos, no dia 18 de fevereiro desse ano, foi um vôo direto de Brasília com destino à Porto Alegre. As crianças estavam animadas para visitar os avós. Entramos no avião, nos acomodamos e na hora prevista decolamos. No início o Davi ficou olhando para fora da janela, vendo a paisagem sumir entre as nuvens. E logo depois começou o transtorno. Não queria mais ficar quieto, não se acalmava, chorou quando tentei fazer com que ele ficasse sentado ao ouvir as "ordens" da aeromoça. Mas gente, como manter uma criança de apenas dois anos parada, estática por mais de duas horas? Ele mal fica assim quando está passando o desenho que ele gosta de assistir na televisão. E se essa criança não estiver se sentindo bem? O fato é que ele parecia mais incomodado que o de costume. E na noite anterior ele teve uma indisposição em casa e acabou vomitando durante a noite. Tudo o que eu podia fazer para acalmá-lo eu fiz, podem ter certeza! Até que lembrei que a Manu havia pedido para levar um pacote de salgadinho junto (sim, aquelas "pocarias" que tanto evito). Já era hora do lanche e como ele negou o lanche oferecido pela empresa, apelei para o salgadinho mesmo. E ele ficou sentado comendo por um bom tempo. Após terminado o lanche, começou a brincar e subiu no banco para olhar quem estava sentado a sua frente até que reclamou de dor de barriga e acabou vomitando tudo (pela primeira vez em tantas viagens). Depois disso foi um sufoco! Ele chorou muito, não se sentia confortável, pedia para sair, para ir embora e colocava as mãos nos ouvidos. Além da minha preocupação toda com ele, também me preocupava com o bem estar dos outros passageiros que tinham que compartilhar esse momento conosco. Sim, a mãe idiota aqui também teve essa preocupação de não querer atrapalhar a viagem de ninguém. Foi um bom tempo assim, tentando de tudo quanto é forma fazer com que o guri ficasse calmo. 

Na chegada, quando o avião finalmente parou ele pedia muito para sair. Ele realmente não estava bem. Expliquei que precisava esperar mais um pouco. Nesse momento a maioria das pessoas já haviam se levantado e estavam ocupando o corredor, o que o deixava ainda mais inquieto. Foi quando uma senhora resolveu se manisfestar. Algo como "nossa, e a gente aqui precisa ficar ouvindo isso". " Essa criança ainda vai sofrer muito se continuar assim". Oi? Virei para trás e vi a cara da criatura, indignada pelo desconforto causado pelo meu filho. Claro que falei com ela, perguntei se ela era mãe e que deveria ser mais compreensiva diante dos fatos, afinal uma criança havia passado mal na viagem e eu, em nenhum momento, deixei ela "sem controle" como estava sugerindo. Ninguém mais falou nada. E ela ainda tentou chamar a atenção com mais uma ou duas frases que nem lembro bem agora, tentando trazer as pessoas para seu lado, para que concordassem com ela. Fiquei transtornada e p...da vida também! Só eu sei o quanto evitei qualquer transtorno durante a viagem para no final ouvir um insulto de uma senhora impaciente e estressada.

O que ela sabe de mim e do meu filho para falar qualquer coisa que seja? O que ela sabe da minha vida para ficar com seus "achismos" e palpites? O que esperar de uma criança pequena cansada, com fome, com dor de ouvido e na barriga? Em algum momento ela ou outra pessoa ofereceu ajuda? Nem a aeromoça que na minha opinião deveria estar preparada para ajudar, não o fez... Com que direito ela tem de questionar o bem estar de uma criança? Ahhhh faça-me o favor, não quer conviver e talvez passar por alguma situação desfavorável, que vá fretar um jatinho!

Há alguns meses atrás, lembro que li uma reportagem sobre uma aeromoça que auxiliou uma família durante um vôo que tinha tudo para ser conturbado e estressante. A criança chorava muito e essa funcionária, sensibilizada pegou a criança no colo e ficou com ela boa parte da viagem, brincando e passeando pelo corredor da aeronave. Quando questionada sobre seu ato, ela foi de uma humildade e sensatez invejável nos nossos dias, dizendo que só fez ajudar a família! Por mais pessoas assim, com esse olhar compreensivo e essa lucidez!

Saí completamente abalada e chorei muito depois. Fiquei apavorada com a falta de sensibilidade e compreensão que algumas pessoas demonstram. Como pode gente? O ser humano não se coloca mais no lugar do outro, não oferece apoio nenhum, só sabe criticar com argumentos equivocados e total falta de respeito e amor ao próximo. Canso de ver essa situação na maternidade. Uma mãe incomodada com outra mãe. Mães que se acham melhores que as outras, que fazem críticas severas sem nenhum pudor. Para quê? Para mostrar-se superior? Para ver quem leva a melhor? Não entendo isso. Não compreendo tantos olhares tortos. Por isso, peço à vocês não julguem, a gente nunca sabe o que realmente está se passando na vida da pessoa. 

O mundo inteiro necessita de pessoas mais compreensivas e mais amor, por favor!

24 comentários:

  1. Oh meu Deus. Viajei junto contigo agora....
    Pecado isso q fazem com as mães. Com certeza não tem filhos, nem netos. Pq senão jamais iriam apontar o dedo e sim
    Se sensibilizar com a situação. Agora já passou e bom q vc conseguiu colocar para fora o q te angustiou. 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fanny, o pior é que ela disse que tem filhos e até falei que muito me admirava então ela estar fazendo isso, mas vi que não valeria a pena discutir ali com alguém que estava só querendo confusão, triste viu!

      Excluir
  2. Tati, viajo muito com as meninas e já vi de tudo! É incrível mesmo a falta de empatia e compreensão de muitas pessoas que só pensam em si. :-(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São poucas as pessoas que são capazes de se colocar no lugar do outro, infelizmente!

      Excluir
  3. Tati, viajo muito com as meninas e já vi de tudo! É incrível mesmo a falta de empatia e compreensão de muitas pessoas que só pensam em si. :-(

    ResponderExcluir
  4. Ate hoje o Joao nunca me deu trabalho em voos, graças a Deus... Claro que ele nao fica quieto... É 100% do tempo tentando entrete-lo com mil ideias... mas ja presenciei varias situações como a q vc enfrentou... e muita gente realmente nao tem paciencia e compreensao. Num voo de Campinas pro RJ vi um caso exatamente como o que vc descreveu, mas pra infelicidade da "reclamona", os passageiros se voltaram contra ela dizendo exatamente o que vc falou: esta incomodada com a crianca, aluga um jato kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deia, dá uma raiva pq a gente sabe que faz de tudo para não criar constrangimentos, mas às vezes é inevitável! Que bom que essa mãe teve apoio, no meu caso a pessoa falou só na chegada então nem ouve tempo para manifestações.

      Excluir
  5. Tati primeiro sinta meu abraço. Como você preciso viajar para visitar a família e é sempre uma caixinha de surpresas. Engraçado que conheci uma senhora de POA quando Pedro tinha 3 meses e resmungava no avião. Ela disse: bebê tu tens que se acostumar. Rsrsrs Hoje me segue e ver o crescimento de Pedro no Instagram. Já passei por perrengue parecido quando fui para Santiago. Pedro vomitou durante o voo e foi um casal que teve 5 filhos que me ajudou. Não tinha roupa adicional e enrolei Pedro na coberta da aeronave. Na saída o comissário me obrigou a devolver e ainda disse: cuidado está muito frio aí fora. Queria voar no pescoço dele! Precisamos urgentemente de mais amor e compreensão de todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então um comissário falar isso...que dane-se a coberta! Ainda bem que sempre levo uma muda de roupa extra na mochila dele, embora nunca tinha precisado antes. É difícil amiga, mas que bom que tu encontrou pessoas acessíveis e sensíveis para te ajudar.

      Excluir
  6. Lindo o seu desabafo! realmente tem de tudo, pessoas insensíveis e pessoas humanitárias, uma pena que a maioria não seja deste segundo tipo de pessoa.. Mas acho que você mandou muito bem, tomou o controle da situação (na medida do possível), parabéns por suas atitudes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Adriano, mas confesso que estava desabando e me segurei para não chorar ali! Repliquei a criatura, mas com dignidade!

      Excluir
  7. Muito complicado, infelizmente as pessoas estão cada vez mais intolerantes.
    Fiquei indignada só lendo o teu relato, imagina se fosse eu, nossa, mas que bom que vc manteve a calma.

    bjss,
    Alê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tentei manter Ale, mas estava desabando e me esforcei muito para não cair em choro ali mesmo de tanta indignação que estava sentindo!

      Excluir
  8. Infelizmente essa eh a realidade que vivemos, onde não existe mais compaixão nem solidariedade ao próximo!!! Quando viajo de avião passo por situação bem semelhante!!!! Mais amor, gente... mais amor!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Olha que triste essa situação que você passou em? Eu ainda não tive o privilégio de viajar sozinha com a minha bebê e sinceramente não sei se teria a sua paciência pra lhe dar com gente inconveniente que só se preocupa com si mesmo, rs como você falou, o mundo precisa de mais compreensão. Um abraço e boa sorte da próxima vez.

    ResponderExcluir
  10. Nossa Tati que raiva dessa pessoa, eu viagei de avião com o Gui duas vezes só, e na primeira na volta ele passou mal no resort e ficou a madrugada no soro pois estava vomitando e diarréia e fiquei com medo no avião ter alguma coisa mais graças a Deus voltamos tranquilos .... Eu tbm não entendo pq as pessoas adoram julgar ao invés de ajudar, como se uma criança de 2 anos estivesse fazendo tudo isso de propósito né

    Beijos Mi Gobbato - Espaço das Mamães

    ResponderExcluir
  11. Nossa Tati que raiva dessa pessoa, eu viagei de avião com o Gui duas vezes só, e na primeira na volta ele passou mal no resort e ficou a madrugada no soro pois estava vomitando e diarréia e fiquei com medo no avião ter alguma coisa mais graças a Deus voltamos tranquilos .... Eu tbm não entendo pq as pessoas adoram julgar ao invés de ajudar, como se uma criança de 2 anos estivesse fazendo tudo isso de propósito né

    Beijos Mi Gobbato - Espaço das Mamães

    ResponderExcluir
  12. Vou dizer uma coisa, Tati: tiro o chapéu para cada palavra sua! O mundo realmente precisa de mais amor! De mais compaixão! De mais Deus! As pessoas estão cada vez mais egoístas! Não se sinta constrangida ou envergonhada! Pessoas como essa senhora é que o devem sentir-se! Espero que você não passe mais esse tipo de situação! É difícil mesmo! Pegamos um voo de 10 horas quando Davi tinha um ano e meio e ele simplesmente chutou a poltrona da frente um milhão de vezes por 3 horas! 🙈 Por mais que eu chamasse a atenção, trocasse de lugar, distraísse, ele acabava batendo na poltrona! Mas, infelizmente, não podia fazer muita coisa! Meu filho não tem botão de desligar! E graças a Deus! Ele tem muita é saúde! Boa sorte nas próximas!

    ResponderExcluir
  13. Tati, o mundo precisa de mais amor, em todas as ações. Viajei de avião com o Caio e graças a Deus foi tranquila. Mas já recebi olhares maldosos em outros locais, e realmente é péssimo quando um ser sem luz não consegue compreender que eles são apenas ... crianças!

    ResponderExcluir
  14. Infelizmente pessoas assim existem aos monte e pessoas como a aeromoça são raras! Se eu estivesse lá teria dado uns gritos com essa pessoa! Aff me senti nervosa de ler, imagino você na hora.

    ResponderExcluir
  15. Complicado, mas o seu desabafo é o mesmo de muitos, infelizmente ;(

    ResponderExcluir
  16. Viajar com criança é realmente uma aventura, às vezes mais tranquilas e outra nem tanto. Eu super me identifiquei com seu desabafo. Existe gente péssima em todo canto, mas graças a Deus também existem pessoas boas!

    ResponderExcluir
  17. Viajar com crianças sozinha realmente é tenso, ainda não viajei por medo de situações como essas.

    ResponderExcluir
  18. Oi Tati viajei com o Gabriel mas não tive problemas pois ele dormiu.
    Mas moro medo.
    Bjs
    Mari
    vamosmamaes.blogspot. com.br

    ResponderExcluir

Gostou? Compartilhe, comente!