terça-feira, 25 de outubro de 2016

O que seu filho anda assistindo?

Você sabe o que seu filho anda assistindo na televisão, no tablet ou até mesmo no celular?

Foto: Google Imagens

A internet está aí e em tudo que é lugar temos acesso a ela. Vivemos conectados, compartilhando informações e momentos. Nossos filhos também. Mas além das redes sociais, eles fazem uso de outras ferramentas como o Google, o You Tube e a tv a cabo. Por isso é muito importante que nós, pais e mães, fiquemos atentos a programação que as crianças assistem.

Há alguns dias, na minha sala de aula (vocês sabem que sou professora), ouço um murmurinho sobre sexo seguido de algumas risadinhas e "carinhas apavoradas". Vocês acham comum ou até "bonito" um guri de 9 anos dizer "quando eu tiver 19 anos vou transar com todas as mulheres", ou coisas do tipo "passou a mão na bunda dela", "fulana transou com ciclano ontem" se referindo à seus colegas de turma. Eu não acho! Eu não estou de acordo! Nessa idade falta ainda muito amadurecimento para compreender a complexidade de uma relação.

Na fala desse aluno podemos observar também estereótipos de gênero sendo reforçados. O homem "pega" todas as mulheres, invade sua intimidade tocando-a... gente, precisamos rever isso! Como estamos educando nossos filhos? Não é bonito os pais acharem que o menino tem que ser pegador porque é um guri. Conversei com alguns responsáveis na reunião de pais da escola pois esse assunto realmente me assusta. As crianças passam muito tempo na internet e precisamos estar atentos ao que assistem e com quem interagem. 
Mas, como controlar isso, principalmente fora de casa?
Conheça os amigos/as e a família dos/as seus filhos/as, estabeleça horários para navegar na internet, bloqueie canais adultos na televisão, peça para ficar perto sempre que possível, espie o que estão olhando, navegue junto com elas, fiscalize o histórico de buscas no Google, e converse, converse muito, orientando sempre. 

Não podemos deixar as crianças completamente "soltas" em frente ao computador. Fiscalizem! É sério! É importante!

Crianças são curiosas por natureza, mas também são vulneráveis. Sua segurança e cuidados depende de nós.

Questões como essa vão surgir na escola ou em casa. Converse com seu filho/a, responda sua pergunta até onde a criança possa compreender, nada a mais. Tudo tem seu tempo! Pense no futuro. Seu filho/a pode criar expectativas desnecessárias nessa etapa do seu desenvolvimento. E criança precisa aproveitar seu tempo sendo criança, brincando junto de dos amigos em tempo real, assim elas aprenderão que essa é a melhor rede social que existe! 



Mais dicas de cuidados com as crianças você pode encontrar no nosso parceiro Gestação Bebê. Vale a pena visitar!

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Cuidado: Crise de birra identificada! Como lidar com a birra infantil.

Como lidar com a birra infantil


 Seu filho sempre foi um bebê bonzinho, calmo, com horários regrados, ia no colo de todos, agora está crescendo, aprendendo coisas novas, já sabe andar, falar, já tem suas preferencias e BUUUM!!! De uma hora para outra: se joga no chão quando contrariado, atira os brinquedos longes na hora de guardar, grita e esperneia se não for do jeito que ele quer? CUIDADO: CRISE DE BIRRA IDENTIFICADA! Bem-vinda a esta nova fase do desenvolvimento, sim, nós dissemos fase, respira fundo e vem conversar com a gente sobre como lidar nesses momentos e entender porque ele está fazendo isso.

Mais ou menos por volta dos 2 até aproximadamente os 4 anos, a crianças começará a tentar impor suas preferencias e vontades, porém ainda não terão maturidade suficiente para lidar com a frustração de ser contrariado. É nessa faixa de idade que as crianças irão testar os limites dos pais e aprender que nem sempre as coisas são como desejamos. Como ainda não sabem lidar com o “NÃO” e a sensação de estar se sentindo frustrados elas vão sim, chorar, gritar, espernear, se jogar no chão e tudo mais, pois a sua maneira de lidar com a situação será explodir e tentar reverter a decisão dos pais!

Então está lançado o desafio, respirar fundo, não se deixar levar pelo grande espetáculo, ainda mais quando este acontece no meio do shopping, supermercado ou naquela festa da empresa, onde a sua única certeza é querer que ele pare imediatamente com aquilo. Sim, sabemos que vocês gostariam que pudéssemos dar aqui uma solução simples e rápida para isso, mas infelizmente, não existe uma fórmula mágica!  Mas algumas dicas podem sim ajudar (e MUITO!) nesse desafio.  Primeiramente, cuidado para não cair na tentação de travar ali mesmo um cabo de guerra de quem grita mais alto! Ficar repetindo que NÃO vai, que NÃO pode, que NÃO quer, adivinhem? NÃO vai adiantar de nada! Nessas horas o “não” é simplesmente ignorado.

Quer experienciar isso? NÃO pense em um urso! Opa, você pensou né? Viu? Você está desobedecendo!

Nessas horas, opte pelo PARE e em seguida oferte outras opções, desviar o foco do pequeno será muito melhor do que longos discursos e explicações. Deixe a conversa, olho a olho (sim, lembra que já falamos sobre se abaixar na altura da criança?), para depois quando a criança estiver mais calma, assim você poderá explicar e lhe dar um abraço, mostrando que entende o que ela sentiu e que está ali.

É bastante importante, aos poucos, começar a ensinar a criança a saber identificar aquilo que está sentindo, nomear as emoções e saber valida-las. Frases como “Eu entendo que você está muito bravo porque não ganhou o brinquedo” e “ Percebo que você ficou triste porque não comeu sorvete” são belos exemplos. Assim a crianças se sentirá de certa forma compreendida, que você sabe como ela  está se sentindo, mas que naquele momento não era possível ter o que ela desejava por tal razão.

Lembre-se de ser firme e manter aquilo que foi dito, por vezes no anseio de interromper a crise de birra, os pais acabam cedendo ao desejo da criança, e é exatamente aí que mora o perigo. Pois assim, a criança aprenderá que com as crises de birra acaba conseguindo o que querer e assim elas tendem a ser mais frequentes. Por outro lado, se perceber que vocês deram um passeio ao shopping ou foram ao supermercado e a crianças conseguiu desfrutar deste momento e não fazer birra, ELOGIE! Mostre como foi positivo e como você ficou feliz com o comportamento dela, assim já estará prevenindo possíveis novos episódios.

Assim como tantas outras que virão, a fase das birras, é apenas uma fase, ela virá e passará. Lembre-se disso! 


Paola Ritcher, Psicóloga e Psicoterapeuta de crianças e adolescentes; 
Natana Consoli, Psicóloga e Psicoterapeuta de adultos, casais e famílias. 

Ambas fazem avaliação psicológica e prestam assessoria psicológica em instituições de educação infantil.
Saiba mais: 
Facebook: E aí Psi?

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Trauma dentário: o que fazer?

Seu filho caiu e sofreu um trauma dentário? Saiba o que fazer:



A infância é o tempo de aprender a engatinhar, andar, pular, correr. E os riscos de uma queda e trauma nos dentinhos é grande.

O trauma pode ocorrer nos dentes, lábios, língua, bochecha, osso e tecidos que sustentam os dentes.

É muito importante informar aos pais que os dentes permanentes estão se formando muito perto da raiz dos dentes de leite. Por isso além da preocupação com o dente traumatizado devemos avaliar radiograficamente em consulta com um profissional possíveis sequelas aos permanentes. Esse acompanhamento deve ser realizado durante 18 meses nos casos de trauma em dente de leite e, por 5 anos quando em dentes permanentes.

MINIMIZANDO OS TRAUMAS:

- evitar o uso de andadores
- observar atentamente os bebes que estão dando seus primeiros passos.
- usar sempre o cinto de segurança quando dentro do carro.
- não andar ou correr com objetos na boca.
- usar protetores bucais durante esportes de alto impacto.


ACONTECEU, E AGORA, O QUE FAZER?

1-      Contatar o dentista. Na maioria dos casos, somente a orientação profissional por telefone já auxilia os pais no primeiro momento.
2-      Esta sangrando muito: pressionar a região com gaze / lenço / toalha para conseguir observar a origem do sangramento.
3-      Há sangramento e os pais observam que o dente está móvel: levar a criança para consulta com dentista o quanto antes. Nesses casos pode ter ocorrido fratura da raiz e o dentista fará radiografia para observar a região traumatizada.
4-      Dente deslocou um pouco da posição: reposicionar o quanto antes minimiza as sequelas nos casos de extrusão ou luxação.
5-      Dentes saiu totalmente: reposicionar o quanto antes e procurar um dentista imediatamente (Pegar o dente pela coroa sem tocar na raiz). Se não conseguir reposicionar no local do dente a melhor conduta é colocar o dente em um recipiente com soro, leite ou saliva da criança e levar juntamente até a consulta com o dentista.

6-      Quebrou um pedacinho do dente: se encontrar o pedacinho, coloque-o no soro, leite ou saliva e procure o dentista. Algumas vezes é possível fazer a colagem.


Sarah Zimmermann Selaimen 
Especialista em ortodontia e ortopedia facial 

Atendimento:
Clinica Odontológica Selaimen
Alameda Sebastião de Brito, 12 Bairro Boa Vista (Praça Japão)
Porto Alegre/ RS  (51) 3328.4699

Saiba mais:
Facebook: Dra. Sarah C. S. Zimmermann Selaimen - Ortodontia