terça-feira, 18 de abril de 2017

Fora de casa eu perco a língua

“Fora de casa eu perco a língua”: 
um texto sobre as diferenças de comportamento em casa e na rua



Vocês conhecem crianças que em casa falam muito, brigam com os irmãos, fazem birra, batem o pé até conseguirem o que desejam e nos outros ambientes que circulam são o oposto? Tornam-se crianças quietas e que mal consegue se ouvir o “oi”, de tão baixinho que sai. Sentam-se ao lado dos pais e nem com todo o incentivo do mundo vão brincar com as outras! Pensou em alguém? Hoje vamos tentar entender um pouquinho o que se passa com esses pequenos.


Podemos estar falando de uma criança tímida. Uma criança tímida tem mais autonomia e se sente muito mais segura para agir e falar em um ambiente que ela já conhece bem, como sua casa ou casa dos avós, por exemplo. Já em locais estranhos e com pessoas que ela não tem vínculo, ela não tem coragem de se expressar. Nesses casos é muito importante incentivar o convívio e apoiar a criança, mas sem obrigá-la a nada. Cada um tem o seu tempo para se sentir seguro e a sua maneira de se relacionar. Se você sente que seu filho está com vontade de ir brincar, mas está com vergonha, nomeie esse sentimento a ele, diga que você em alguns momentos sente vergonha e que não tem problema algum se sentir assim. Depois, diga a ele que você vai ajudá-lo a enfrentar essa vergonha.


Use a imaginação e diga que existem vários bonequinhos na cabeça dele e que agora está na hora de chamar o bonequinho da coragem e colocar o bonequinho da vergonha para dormir. É preciso entender que isso é difícil para ele e que talvez leve mais tempo do que você deseja, por isso não desista de conversar e apoiar, demonstrando que você o entende e está com ele nessa! Outra dica legal, se a criança for mais novinha, é sugerir que eles usem mascaras de algum personagem que eles gostem, assim, não é “João” ou a “Maria” que precisam enfrentar uma situação nova, mas o “Batman” e a “Peppa”. 

Outra possibilidade que pode fazer com que a criança aja dessa forma é a insegurança que ela tem em si e a baixa autoestima. Uma criança que não sente um apego seguro em relação aos pais e que não tem a percepção de que se acontecer algo de errado, ela terá em quem se apoiar, ela tende a ter medo de participar de qualquer coisa fora de casa. Isso vai de encontro também com a baixa autoestima, uma vez que ela não se sente capaz de acertar, tende a acreditar que o seu envolvimento com as outras crianças não será bem vindo ou que ela não tem potencial suficiente para fazer coisas tão legais quantos os seus amigos. Nesse caso, é importante que os pais possam refletir se não estão exigindo demais da criança e a forma como estão aceitando o que a criança faz. Lembramos que as crianças não devem ser comparadas e que elas necessitam dos elogios dos pais sobre o que fazem. Mesmo que não esteja 100%, elogiar é motivar!

E, por último, mas importantíssimo, ensine o seu filho a conviver fora de casa. Dê limites e dê muito amor e junto com isso, ensine ele a respeitar os limites dos amigos e a se respeitar também. Costumamos dizer para as crianças o que elas devem fazer, mas temos que ensiná-las também o que elas não devem admitir que os outros façam com elas. Deixe seu filho se expressar em casa, encoraje-o, incentive-o e diga a eles inúmeras vezes que você sempre irá defendê-lo quando ele precisar. Diga a ele como ele deve agir quando os colegas fizerem algo que ele não goste e quando ele lhe contar, ajude-o a resolver.

Se o ambiente familiar for saudável, a criança sempre será mais extrovertida ali, pois ali ela se sente amada e tem intimidade suficiente para ser ela mesma. Com paciência e muita conversa, precisamos identificar porque fora de casa ela está agindo de maneira tão oposta e ajudá-la a resolver o problema, seja ele timidez, insegurança, baixa autoestima ou qualquer outra pequena coisa que possa estar travando a socialização. Vale ressaltar que deve-se sempre atentar se a criança não está sofrendo bullying e observar se a falta de iniciativa ocorre sempre com o mesmo grupo de crianças, pois a criança pode estar se sentindo mal nesse ambiente por algum motivo que você ainda não percebeu. 



Paola Ritcher, Psicóloga e Psicoterapeua de crianças e adolescentes; e Natana Consoli, Psicóloga e Psicoterapeuta de adultos, casais e famílias.
Facebook: E aí Psi?




segunda-feira, 10 de abril de 2017

Livros Infantis para a Páscoa

Hoje trouxe algumas sugestões de livros infantis sobre a Páscoa. 

Sempre procuro livros para trabalhar a temática da Páscoa com meus alunos e para facilitar a vida das profes como eu (e das mães, pais e pequenos leitores, claro!), selecionei alguns para o Blog. 
Alguns dos livros falam sobre a Páscoa, outros apenas tem como personagem principal o coelho, tratando de outras temáticas, porque eu gosto de diversificar a leitura. Também selecionei livros para faixas etárias diferentes.
Espero que possam aproveitar!



O COELHINHO QUE NÃO ERA DE PÁSCOA

SinopseVivinho é um coelho normal: Tem muitos irmãos e uma família legal. E o que ele vai ser quando crescer? Coelho de páscoa, só pode ser! Mas vivinho quer outra profissão. Será que os pais vão aceitar sua decisão? Escrito por Ruth Rocha e ilustrado por Elisabeth Teixeira, Ed. Salamandra.



A PRIMEIRA PÁSCOA

Sinopse: Esta obra apresenta a história da crucificação e da Ressureição de Jesus Cristo que está na Bíblia, e aqui é recontada com simplicidade e sinceridade. É a história de um renascimento e de um eterno amor. A história do verdadeiro significado da Páscoa. Escrito por Lois Rock e ilustrado por Sophie Allsopp. Ed. Rosari.




SABE QUEM PUXOU AS ORELHAS DO COELHO?


Sinopse: Na festa da cenoura, alguém puxa a orelha do coelho, mas ele não vê quem é. Todos riem dele, e ninguém quer contar quem fez a travessura. Então, Sapeca arma um truque para pegar o engraçadinho no pulo. Escrito por Elza Cesar Sallut. Ed. Scipione.


COELHO MAU

Sinopse: Um dia, os pais do coelho Fofinho recebem uma carta do filho, contando que fugiu de casa, entrou para a turma dos Coelhos Sinistros e tem um novo nome: Coelho Mau. Começou a fazer todos os tipos de grosserias, deixou de lado a higiene e até tingiu o rabo e fez um piercing. Mas o que motivou essa transformação tão esquisita e repentina? Essa é a dúvida não só dos pais de Fofinho, mas também do leitor de 'Coelho Mau'. Só que a resposta para o comportamento de Fofinho é desvendada apenas em um P.S. no rodapé da carta, que coincide com o final do livro.
Por meio de texto curto e simples e muitas ilustrações divertidas, o livro mostra como uma idéia criativa pode salvar uma pessoa em momentos difíceis. Escrito pela inglesa Jeanne Willis e ilustrado por Tony Ross, dois nomes premiados da literatura infantil, e com tradução de Heloisa Prieto, 'Coelho Mau' é indicado para crianças a partir dos 6 anos. Editora Ática



UMA HISTÓRIA DE PÁSCOA

Sinopse: Quando a Páscoa se aproxima, meninos e meninas ficam ansiosos por ovos coloridos, chocolates, presentes. Mas só as crianças têm desejos? E os coelhos? O que desejariam ganhar em um dia tão especial? Joãozinho e o coelho Dudu terão motivos de sobra para comemorar a Páscoa juntos. Escrito por Ana Maria Machado e ilustrado por Adilson Farias. Ed. Salamandra.


PÁSCOA NO GALINHEIRO

Sinopse: Mal acabara de ser posto, uma pergunta pairou no íntimo do Ovo - Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha? Especulações à parte, ele tinha um sonho, um desejo - o Ovo de galinha sonhava em se tornar um ovo de Páscoa. Gigante, bonito, todo brilhante, vestido em papel colorido, amarrado com fita... Levando alegria para uma criança no domingo de Páscoa. Quieto, no seu ninho de palha, o Ovo seguiu em seu devaneio. Foi na véspera da festa pascal, que o Ovo de galinha teve um encontro inesperado - ao lado dele estava o Ovo de Páscoa. E ali, encarando o seu sonho feito em chocolate, ele descobriu o seu valor. Escrito por Eduardo Bakr e ilustrado por Lucia Hiratsuka. Ed.Paulinas.





BEBÊ MORANGUINHO - PRIMEIRA PÁSCOA

Sinopse: Chegou a hora de a Bebê Moranguinho comemorar a primeira Páscoa! Que felicidade! Ela também vai explorar uma caixa de brinquedos muito especial com o cãozinho Rocambole e o gatinho Pudim. Que tal brincar junto com eles? Ed. Fundamento.



MORANGUINHO - FELIZ PÁSCOA

SinopseA Moranguinho teve uma ideia incrível para comemorar a Páscoa: ela e as amigas vão enfeitar um montão de ovos e escondê-los no Bosque das Frutinhas. Quem encontrar mais ovos ganha uma linda surpresa! Ed. Fundamento.



RABBITMAGICA

SinopseSe você souber onde procurar, há magia em todo lugar!Sempre muito sensível, a Lottie descobriu um simpático coelho vivendo em péssimas condições em um pet shop que vende animais “comuns”. Ela então decidiu que faria de tudo para tirá-lo de lá! Só que isso deixou a Sofie, sua cachorrinha e parceira de magias, muito incomodada – o ciúme foi tanto que a pequena cadela fugiu de casa! Muito triste, a Lottie acabou discutindo com sua melhor amiga, a Ruby, e brigando na escola. Tudo o que ela conseguia pensar era no que seria dela se Sofie nunca mais voltasse! Como se isso não bastasse, a Lottie anda intrigada com os estranhos sonhos que vinha tendo com seu desaparecido pai – eles parecem super-reais! Será que isso é um sinal de que algo muito importante está por vir? De Holly Webb, Ed. Fundamento.


A MAGIA DE MOLLY - A COELHINHA INVISÍVEL

SinopseDiversão e aventura em uma história irresistível! Mais uma vez, a Molly vai usar seu dom de conversar com os animais para ajudar um bichinho muito especial! A Floco de Neve é uma coelha sapeca e esperta que tem se comportado de um jeito estranho: ela anda sumindo de uma hora para outra! Será que a Molly pode ajudar o dono da Floco de Neve, o mágico Alberto, a descobrir o que está acontecendo? Ou será que a coelhinha pode desaparecer para sempre e colocar a nossa amiga em uma bela encrenca? Ed. Fundamento.



Boa leitura!