terça-feira, 2 de outubro de 2018

Buenos Aires (de carro) com crianças

Oi gente!

Demorou, mas saiu a primeira parte da nossa viagem de férias. Resolvi fazer em duas partes para esse post não ficar tão extenso e cheio de informações hehe. A intenção é ajudar e não cansar a leitura. Mesmo assim tem muita coisa pra contar! Por isso vou começar contando como foi nossa trip até Buenos Aires, lembrando que nosso destino final era Bariloche e Buenos Aires foi só uma "esticada". 

Saímos de São Leopoldo às 3 horas da madrugada. Optamos por esse horário porque as crianças vão dormindo por um bom tempo. O Davi não é de tirar "sonecas" nas viagens, então isso nos ajuda muito. Mães e pais entendem!

Na estrada até o Uruguai passamos por 4 pedágios de R$ 11,40 cada (em Pelotas, Cristal e Camaquã), sendo que o de Guaíba estava desabilitado. Chegamos em Chuí em torno das 9 horas e quando paramos na Aduana do Uruguai, o Davi acordou e não dormiu mais até pararmos no hotel, à noite (imaginem!). Nesse percurso só paramos para abastecer em Chuí e para passar a fronteira. Até Punta Del Este, passamos por dois pedágios. Em Punta pagamos mais dois pedágios de 95 pesos cada, um na saída de Montevidéo de mesmo valor, e outro na Aduana Argentina (esse era 260 pesos uruguaios ou 220 pesos argentinos). Até Punta Del Este foram 763 km percorridos, uma barbada perto de tanta estrada que ainda íamos percorrer.

Tem outros caminhos para se chegar a Buenos Aires, mas escolhemos esse porque queríamos conhecer o litoral uruguaio. Esse é um ponto fascinante de se viajar de carro, poder curtir o caminho e conhecer lugares novos e lindos. A gente adora!



No Uruguai

A primeira parada de Punta não tem como não ser nessa escultura da foto. Los Dedos foi criada em 1982 pelo artista plástico chileno Mario Irrazpabal, simbolizando o homem emergindo para a vida. Ela fica localizada na beira da praia e é parada obrigatória de todo turista.

Los dedos ou La mano em Punta Del Este



Nossa visita na cidade foi curta, mas ainda deu tempo de conhecer a Casa Pueblo, uma antiga casa de veraneio do artista plástico e arquiteto uruguaio Carlos Páez Vilaró. Hoje a casa é vista como uma cidade-escultura, com galeria de arte, museu, hotel e cafeteria. Ela impressiona pelo tamanho e história, pois foi construída de forma artesanal a base de cimento e cal, e ganhando novos cômodos até chegar ao formato atual.

Casa Pueblo

Punta Del Este

De Punta Del Este a Montevideo são 136 km. Como saímos a tarde e fomos curtindo o caminho, chegamos em Montevidéo no início da noite e abaixo de chuva. Por isso, não conseguimos turistar muito pela cidade. Fomos direto para o hotel, jantamos uma pizza e fomos descansar. Pela manhã ainda chovia muito então só conseguimos dar umas voltas de carro, principalmente na parte da cidade velha, onde ficamos. O máximo que consegui fotografar foi a Fonte dos Cadeados, localizada na av. 18 de julho, onde os casais colocam cadeados com suas iniciais para eternizar o amor. Aliás, era justamente 18 de julho o dia que estávamos lá, feriado na cidade, ou seja, quase tudo fechado. Explorar Montevidéo teve que ficar para uma próxima oportunidade.


Fonte dos Cadeados em Montevidéo


Na Argentina

Até chegar a Buenos Aires, percorremos mais 600 km de estrada. Optamos por não atravessar de ferry-boat (balsa) devido ao alto custo e aos horários restritos de travessia. E preciso dizer que todas as estradas do percurso são boas. Na capital argentina optamos por ficar num apartamento alugado pelo Booking.com, que nos deu mobilidade, praticidade e uma economia na alimentação.  Essa é uma boa opção para quem viaja com crianças, porque fazer lanches, principalmente a noite, para os pequenos facilita muito. 



Buenos Aires encanta a primeira vista. A arquitetura, o clima (estava bem frio!), os cafés espalhados pela cidade, carnes, os parques, tudo é lindo. Ficamos duas noites em B.A. e tenho que confessar que ficaria facinho mais alguns dias por lá. Eu amo lugares com arquitetura antiga, imponente, clássica. Tem tanta coisa para conhecer na capital argentina que saí com vontade de quero mais.



No nosso primeiro dia em Buenos Aires optamos por visitar alguns pontos turísticos da cidade, como a Plaza de Mayo, o Obelisco, a Casa Rosada e o estádio La Bombonera. E claro, dar uma caminhada pelo seu centro charmoso.


Nós na Plaza de Mayo


Plaza de Mayo, ao fundo a Casa Rosada

Obelisco



No segundo dia fomos pela manhã conhecer o famoso e até polêmico Caminito.  Polêmico, porque li em alguns blogs, comentários de pessoas que não gostaram do local por considerarem os comerciantes insistentes e os restaurantes de lá caros. Chegamos no Caminito um pouco antes das 10 horas e ele ainda estava bem vazio e muito tranquilo. Então vale a dica: vá cedo se não quer ser importunado pelos dançarinos de tango e 'maradonas' que andam por lá hehe. Coisa que não fomos. Se tu ainda não conhece a famosa rua com casinhas coloridas do bairro Bombonera, fica pertinho do estádio do Boca, vale a pena visitar. O lugar é diferente de tudo que eu já tinha visto e rende ótimas fotos. As casas são feitas de telha de zinco e madeira, tem várias lojinhas, museu e restaurantes. Como nosso tempo estava apertado, não ficamos muito por lá, o suficiente para uma boa caminhada e apreciação do lugar.

O Caminito era quase um lixão a céu aberto, com cortiços construídos a partir de sobras de metais, praticamente um problema para a cidade. Em 1950 as casas foram recuperadas e pintadas por vizinhos, uma ideia do pintor Quinquela, se tornando um calçadão para pedestres e um museu a céu aberto. Acabou virando ponto turístico e uma fonte de renda para os moradores.


Caminito, Buenos Aires

Local onde tem apresentação de tango

Tudo muito colorido e alegre

Saímos do Caminito e fomos até outra parte da cidade, o Puerto Madero. E me arrisco a dizer que aqui é a parte mais moderna de Buenos Aires. Puerto Madero é um dos bairros mais valorizados da capital, tem construções mais atuais e sofisticadas, fazendo um contraponto à arquitetura clássica e histórica de BA.

É muito bonito, perfeito para uma caminhada, uma 'lagarteada' no sol, tomar um chimarrão no final da tarde. 

O Porto homenageia as mulheres e suas ruas levam nomes de mulheres das ciências, política, cultura. Lá também fica a Puente de La Mujer e ainda tem um barco de guerra museu, o La Frigate Sarmiento, que o Davi visitou junto com o marido, enquanto eu e a Manu apreciávamos o local e brincávamos de fotografar, porque né gente eu amo uma foto!

Puerto Madero

La Frigate Sarmiento


Ponte de La Mujer


Buenos Aires tem muitos parques. E são todos super bem cuidados e bonitos, não deixe de visitar. Além disso, parques geralmente agradam as crianças, pois elas podem brincar a vontade, correr, rolar na grama ou ainda andar numa bicicleta alugada.

O primeiro parque que visitamos foi a Plaza de Las Naciones Unidas, onde fica a Floralis Generica (ou Flor Metálica).  A Floralis é uma grande escultura metálica de 20m que se movimenta de acordo com o sol. O bacana é que tu podes visitar em horários variados, no mesmo dia, que suas pétalas estarão em posições diferentes.


Nós na Plaza de Las Naciones Unidas





Floralis Generica


Outro lugar que sugiro a visita são os Bosques de Palermo, que é um conjunto de parques de extensa área verde formado pelo Jardim Japonês, Planetário Galileu Galilei, Jardim Botânico, El Rosedal. 

A área é enorme e fica um ao lado do outro. Perfeito para um domingo em família. Nos parques tem lagos, feirinhas, quiosques, pedalinho. A entrada é gratuita, mas vá com bastante tempo para desfrutar e conhecer todos. Nós não conseguimos ir no Planetário e no Jardim Japonês, mas já adoramos o que vimos. Como era inverno as roseiras do parque El Rosedal já estavam bem secas, mesmo assim ainda haviam belas rosas por lá. Imagino como deve ser lindo na primavera. Ah, e o cenário rende belíssimas fotos!


Foto de casal no bosque El Rosedal

Rosas de El Rosedal
                                              
Outro bairro que vale a pena visitar e que nós gostamos muito é San Telmo. Ele é conhecido como o bairro mais boêmio de BA. Lá tem vários antiquários e cafés tradicionais servidos com as famosas e deliciosas empanadas argentinas. San Telmo fica ao lado do centro e é um dos bairro mais antigos da cidade, suas ruas de pedras e casarões coloniais dão um ar bem artístico e boêmio ao local. Nos domingos tem a Feira de San Telmo que reúne milhares de turistas. Indico visitar o Mercado San Telmo, tomar um café ou chopp e curtir toda a atmosfera do lugar. 

No bairro ainda tem a escultura da Mafalda, que fica na esquina das ruas Chile e Defensa. Sentada num banco, ela e seus amigos esperam turistas que adoram parar e fotografar. Dizem que é bem comum haver fila para fazer uma foto com ela, já que é uma garotinha muito procurada por fãs. Nós tivemos sorte para fazer a nossa, já que haviam poucas pessoas ainda quando chegamos. 

Com a Mafalda e os amigos, em San Telmo


Mercado San Telmo


Buenos Aires nos deixou com gosto de quero mais. Queremos voltar e ficar mais dias, pois duas noite é muito pouco. Claro que nosso destino maior ainda estava por vir, mas o que é bom a gente sempre quer mais né. 

Vou deixar aqui, mais separadinho para vocês, algumas informações úteis para facilitar a viagem de quem também for passear pela Argentina. Espero que gostem das dicas. No instagram tem mais sobre nossa aventura, segue a gente lá!


Informações úteis:

  • Pedágios iniciais (do Brasil ao Uruguai e Argentina): Nos pedágios do Uruguai são aceitos reais, dólar e pesos argentinos. Nos pedágios argentinos NÃO é aceita a moeda brasileira.
  • Saques: tivemos um pouco de dificuldade para efetuar saques no banco eletrônico. É bom viajar com valor extra. No caso de haver necessidade de realizar saques na Argentina, o mesmo pode ser realizado pelos Bancos Banelco e Rede Link. O primeiro é filiado ao banco Santander 24 horas, ou seja, podemos utilizar nosso cartão do Banco do Brasil para sacar nestes caixas, tendo opção de débito em conta corrente ou cartão de crédito, de acordo com seu limite diário e mediante pagamento  de algumas taxas bancárias. Mas vale a pena em momento de aperto.
  • Trânsito: durante a semana BA é muito movimentada, sério, não sei de onde sai tantas pessoas. Chega a ser caótico transitar no centro de carro, um caminho razoavelmente curto pode levar muitos minutos ou até horas se estiver em horário de fluxo. No final de semana é mais tranquilo.
  • Documentos: Para viajar de carro aos países hermanos é necessário providenciar a Carta Verde, um seguro obrigatório que te autoriza a conduzir veículos nos países vizinhos. Precisa estar acompanhado também de documento de identidade. E claro que para entrar das aduanas, é necessário que todos os passageiros apresentem documentos de identidade (crianças e adultos).
  • Estradas: em todo o trajeto, do RS à Buenos Aires, as estradas são de muito bom estado.
  • Gasolina: A gasolina mais cara é a do Uruguai (chegamos a pagar R$ 7,80), na Argentina (R$ 3,80) chega a ser mais barata que no Brasil (R$ 4,70).


Essa foi uma parte da nossa viagem de férias. Na segunda vou contar tudo sobre o trajeto de Buenos Aires à Bariloche e nossos dias curtindo a neve. Acompanhem!









4 comentários:

  1. Adoraria conhecer a Argentina. Esse post me motivou a ir conhecer com meu filho. Fazer um mochilão pai e filho...;-)

    ResponderExcluir
  2. Morro de vontade de conhecer o Uruguai em família, é um dos países que mais admiro aqui da América do Sul <3

    ResponderExcluir
  3. Uau, quantas experiências, adorei o roteiro, talvez copie um dia, hehehe...

    ResponderExcluir
  4. Nossa fiz um passei através deste excelente post. Várias experiências e lugares lindos.

    ResponderExcluir

Gostou? Compartilhe, comente!